domingo, 19 de abril de 2009

O que não me permite SER feliz…

O que não me permite SER feliz…


Posso eu questionar-me, o que é que, não me permite SER feliz? Toda a razão, toda a explicação, toda a resposta, será sempre, uma resposta condicionada.

Pois o simples conteúdo, e efeito, é condicionado, não permitindo assim, eu ser feliz.

Por outras palavras, é a importância por si dada, a certo e determinado assunto, que não o permite, SER feliz.

É você que decide, o que pode, e o que não pode, faze-lo feliz.

A palavra “pode”, significa “permissão”, você é quem permite a sua felicidade, ou a sua infelicidade.

É você apenas, quem não permite, a si mesmo, SER feliz.

A razão pelo qual a infelicidade existe, é porque o Homem esqueceu-se da sua essência. Devido a isso mesmo, surgiu a falsa ilusão de carência, o que por sua vez o levou a depositar a sua felicidade no exterior, atribuindo assim importância à matéria, e à separação.

Toda infelicidade, está na crença depositada, de que somos incompletos, imperfeitos, e que falta nos algo. Quer seja o emprego ideal, o carro ideal, a casa ideal, a relação ideal, o namoro ideal, o estatuto ideal, o dinheiro, as roupas, as férias, etc. Em tudo, nós colocamos as culpas, na insatisfação de não conseguir ou não ter aquilo, que nos falta.

A boa noticia, é que o leitor não necessita de nada para SER feliz, excepto de si próprio, ou seja tudo que o leitor necessita já o têm, apenas esqueceu-se, que o têm.
Veja, de nada adianta desejar ter um carro novo, se não tem carta para o conduzir, de nada adianta, ter uma casa nova se não possui tempo para o usufruir.

O que acontece, é que, quando digo que o leitor já tem tudo para SER feliz, consiste nessa tomada de Consciência, de Olhar para dentro no AQUI, e no AGORA. Olhando para a VIDA como se fosse pela 1ª vez, porque de facto é a 1ª vez, a Vida é sempre nova, e sempre diferente. A felicidade, parte 1º de si mesmo. Saber que não necessita de nada para SER feliz, é reconhecer a sua Divindade, a sua essência com o todo, é abrir-se à Vida, a Vida aceitando-se como Vida, perfeita e completa que “É”.
Tudo que o leitor afirmar como imperfeito, ou carência, reside sempre no exterior, no pensamento e na importância atribuído ao mesmo.

Poderá então alegar, A, B, ou C em prol das justificações, para estar infeliz, mas verá que o A, B, ou C, são sempre situações exteriores a si, ou seja (apego), importância por si atribuída, que geram pensamentos, de angustia, de tristeza, emoções e sentimentos.


Você não depende de nada, nem de ninguém para SER feliz, só depende de si mesmo.


SER feliz é uma tomada de Consciência, feita sempre no Presente momento, um lembrar que lhe é legitimo SER feliz, como Vida Consciente que “É”.

Verá então que a persistência em aceitar essa dádiva, dará frutos, e uma vez feliz no seu interior, o exterior lentamente se reflectirá, como que por magia, a Vida dar-lhe à a felicidade que você interiormente aceitou.


Seja Feliz, e quando não for, pare, respire, dê espaço, silencio a si mesmo, fale consigo, diga-o para dentro, “EU” como Vida, sou feliz, e permito SER feliz, darei espaço, darei silencio, darei calma a mente, e com isso recebo o Novo.

Paz

Um comentário:

Ritinha disse...

Realmente deveríamos de olhar para dentro de nós próprios mais vezes!
E seguir o coração...
Mas a razão,o consciente impera...a sociedade dita regras e impõe condições...

Adorei este texto parabéns